sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

“A mãe que eu sonhava ser... Mas que, admito, não sou!”

#@ Antes de ser mãe, eu sonhava (e acreditava!) que seria fácil. Então, ser mãe dos filhos “dos outros” era facílimo! 
Desde que me lembro, sempre senti uma grande vontade de ser mãe; como se a “maternidade chamasse por mim”. Aliás, tinha a certeza que teria pelo menos uns cinco filhos (e chego aos quase 34 anos com uma princesa – mas isso seria assunto para outro post...), tal era a minha vontade...
Sonhei muitas vezes com os exemplos que ia dar; o que faria e não faria; o que seria aceite e não aceite; que educação iria dar; quais os limites e escolhas que iria fazer.

Depois de ter casado e termos ambos decidido que “estaria na hora” de sermos pais, não demorei muito tempo a engravidar – ao terceiro mês chegou o tão esperado e desejado positivo, que encheu a minha (nossa) vida de cor e amor. Em paralelo, comecei a imaginar que uma “nova Sónia iria nascer”, ao mesmo tempo que a Mariana. Como estava tão enganada....

Eu acreditava, sem sombra de dúvidas, que quando a minha filha nascesse, iria amamentá-la até aos dois anos (pelo menos); respeitaria todas as rotinas, sem exceção; as refeições seriam recheadas de legumes e comida saudável (doces nop!); não deixaria que ela gritasse; e birras, certamente não as iria fazer, porque eu estaria mais do que preparada para saber lidar com “elas” e contornar estes momentos (sempre que via alguma criança fazer birra, achava que a criança não tinha culpa; os pais é que não estavam a saber lidar com algo “tão simples”)...
Acreditava também que o desfralde seria fácil desde que houvesse paciência; que as noites mal dormidas não podiam afetar-nos tanto quanto se dizia pois certamente não seriam todas as noites, só algumas (....); e seria capaz de me manter sempre calma e serena perante as dificuldades que chegassem, uma vez que as mães são a personificação da calma (pelo menos aparentemente!).

Pois... A Mariana nasceu e eu tive de morder a língua milhentas de vezes de (e continuarei certamente a morder!)... Nós criamos na nossa mente, a imagem de “mãe perfeita” que, na realidade não existe. O que “nos vendem” em revistas; blogues (sim na blogosfera também!); livros; novelas é a figura de “super mãe”: sempre linda e arranjada; disponível e apresentável; sem olheiras ou falta de paciência; que não corre para chegar a horas; que tem tempo para comer comida saudável (e quente!); que anda sempre com um sorriso de orelha a orelha e uma auto estima “lá no alto”; que tem sempre tudo “controlado”...
Mas, a verdade, é que não é bem assim, e as nossas expectativas são as nossas piores inimigas, no momento em que acabamos de ser mães... Por aqui não foi diferente.

Eu achava que iria ser aquela mãe que sabe exatamente o que fazer, na “hora da birra". Aquela que acorda feliz, a meio da noite, para amamentar e volta a adormecer feliz e contente, num piscar de olhos.
Eu queria ser a mãe que nunca se irrita; que jamais perdia a paciência; que fala sempre num timbre de voz calmo e meigo; que todos os meses levaria a filha a uma atividade lúdica para a estimular; que está sempre disposta para largar tudo e brincar com a filha.
Acreditava que seria uma mãe (e mulher) linda, fresca e fofa para o marido e para a filha; que depois da Mariana adormecer, “despiria a capa de super mãe e vestiria a de super mulher”.

Eu garanto-vos que queria, e que foi essa a mãe que sonhei ser... Mas, que, admito não sou!!!
Sou uma mãe como tantas outras que conheço; uma mãe comum, sem super poderes ou magia.
Uma mãe que chora; que tem medo; que fica desesperada quando vê a filha com dor e não pode fazer nada para ajudar... Sou o tipo de mãe que também perde a paciência; que não tem resposta para tudo e que às vezes se esquece de coisas.... Sou a mãe que passa pelas birras no supermercado; que adormecia a filha ao colo porque a habituou assim; que põe o ruca ou a masha e o urso na televisão só para ter uns minutos de sossego...
Mas também sou o tipo de mãe que ri sem parar; que beija e abraça sempre; que diz amo-te todos os dias; que coloca a filha à frente de tudo (até de si mesma!) sem hesitar.

Esta sou eu: Sónia, mãe da Mariana 😉.
Há dias em que me sinto péssima por achar que estou a falhar na mais importante e gratificante missão da minha vida. Outros em que me sinto maravilhosa porque acredito que estou a fazer um excelente trabalho e a “dar” totalmente conta do recado.
Mas, querem saber o mais importante? A Mariana recebe todo o meu amor; dedicação e atenção. Ela é feliz. E eu creio que ela sabe que sou a melhor mãe que consigo e sei ser, e que estarei ao seu lado “a vida toda” ❤.

Também vos aconteceu imaginarem uma coisa antes de serem mães e depois "a realidade ser bem diferente"? Mais alguém se identifica? Sintam-se à vontade para partilharem comigo (connosco); esta troca de experiências faz bem à alma e "somos todas ouvidos".

Sigam-nos no Instagram aqui e no Facebook aqui. Não se esqueçam de nos seguir também no Blogspot (basta irem à página inicial do blogue - canto superior direito - seguidores - clicar em seguir).

O nosso encontro já está marcado para o próximo post!

@Mamã do @Bazar @#

Sem comentários:

Publicar um comentário

"Sete anos do melhor de mim..."

#@ Sete anos; a minha princesa faz hoje sete anos 💖. Filha, apesar de hoje ser o dia do teu sétimo aniversário, já te amo há mais tempo que...