sexta-feira, 20 de outubro de 2017

"Como saber que está "na hora de ir" ao segundo filho?"

#@ Diz-se que nós, mulheres, nascemos com um "relógio biológico" que a dada altura na vida desperta e faz "Tic Tac: está na altura de ser mãe". Eu, além desse suposto "relógio", nasci também com um instinto maternal "muito apurado". Sou aquele tipo de pessoa que quando vê um bebé se "derrete" completamente e fico com uma vontade doida de apertar bochechas ☺.

Talvez por ser filha única, sempre senti um enorme desejo e vontade de ter uma família grande. Mas, a necessidade de ter estabilidade económica e profissional foram adiando esse "sonho", e acabei por ser mãe aos 29 anos, três anos e meio depois de ter casado. Hoje penso que devia ter "matutado menos", e seguir a minha vontade de ser mãe mais cedo mas, lá está, o tempo não volta atrás.

Foi no dia 5 de Março de 2014 que aprendi o que é amar incondicionalmente; que percebi o verdadeiro dom que nós mulheres temos: gerar e dar vida. E essa é a maior riqueza do mundo. A primeira vez que peguei na Mariana ao colo e a olhei, soube que o elo que nos une será para toda a vida; que nunca iria deixar de estar ao seu lado; que morreria por ela. 

Temos uma relação tão boa e próxima; somos tão chegadas e cúmplices (ela adora o pai, mas há umas semanas para cá "virou a casaca" e quer a mamã para tudo 😊) que, por vezes, penso se ao ter outro filho esta cumplicidade será ameaçada; se serei capaz de dar amor aos dois; se conseguirei ter o tempo que dois filhos merecem (e exigem!); se o meu coração estará preparado para tal mudança... 

A família e os amigos já perguntam "para quando um segundo rebento?" (nop, nenhuma pressão, ora essa!); a Mariana pede constantemente um mano; e cá em casa temos muita vontade, mas, admito, tenho imenso receio.... Das mães que estejam a ler este "desabafo", mais alguma sentiu o mesmo? Como saber que está na altura de avançar para um segundo filho? Há algum "sinal do  além"? Também tiveram "medo"? Troca e partilha de experiências são bem vindas: eu "sou toda ouvidos".

Façam-me companhia na página de facebook aqui e sigam o blogue (página inicial; canto superior direito; seguir - super fácil 😉).

Até ao próximo post.

@Mamã do @Bazar @#

18 comentários:

  1. Olá 🙂 Não conhecia o seu blog mas vi esta partilha através de uma amiga do facebook e decidi ler porque neste momento estou na mesma situação. Fui mae há 2 anos e 2 meses, o maior amor que alguma vez senti. Tem sido uma experiência óptima porque o Francisco é uma criança adorável, de personalidade calma e meiga e tem sido também muito saudável. Só as noites é que ainda não são totalmente pacíficas mas para lá caminhamos. Resumindo, sinto o mesmo; neste momento começo a sentir vontade de partir para um segundo, porque o Francisco já está mais crescido, mas está a custar-me mais dar o passo para o segundo do que custou avançar para o primeiro...não sei bem porquê. Supostamente até deveria ser mais 'simples' porque já há 'meio caminho andado', não é? De qualquer forma o que penso é: não pensar demasiado no assunto!!! 😆 Ainda sou jovem, o que me deixa 'margem de manobra'. E quero sentir-me verdadeiramente pronta para amar sem medida, novamente, e gerar mais uma vida, como aconteceu quando decidi ter o Francisco, em que essa vontade estava bem presente! Talvez já não falte muito para sentir isso novamente...quem sabe. Vou dar tempo ao tempo e aos meus sentimentos. Quando chegar o momento, será certamente tão especial como foi do Francisco. Espero que consigo aconteça igual. O tempo tudo traz! �� Um beijinho!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela partilha ❤ e pelo seu testemunho. Sinto o mesmo. Acho que na altura certa deverão passar os receios e os medos. Beijinhos e muitas felicidades 😍

      Eliminar
  2. Eu tive esse mesmo receio durante toda a gravidez, até ao momento em que o meu segundo filho nasceu. Odeio clichês, mas posso garantir que é a mais pura das verdades que: "O amor de uma mãe não se divide, multiplica-se."

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelo seu testemunho ❤. Acredito que sim. Espero que os meus receios passem 😏. Beijinhos

      Eliminar
  3. Olá. Eu já me aventurei no segundo. Confesso que não pensei muito. A Clara tem agora 29 meses e já vou a meio da segunda gravidez (mais uma menina ��).
    Eu também sou filha unica, mas nunca quis ter apenas um.
    Todos esses receios ainda estão presentes em mim, mas depois de passar pela primeira experiência sei que nunca vou estar preparada �� portanto... venha ela e depois vejo como corre.
    Vão ter praticamente 3 anos de diferença. ❤

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só vi agora o seu comentário 😊. Parabéns e obrigada pela partilha ❤

      Eliminar
  4. Ola :) confesso que ñ conhecia o aeu blog tb foi por uma partilha no Facebook que cheguei aqui!! Pois bem tenho uma princesa de 5 anos e tenho um bebé de 4 meses... a princesa sempre teve uma ligação mt forte comigo e também tinha o mesmo receio se conseguiria manter a mesma ligação com a chegada do irmão... No inicio não foi fácil é verdade mas agora que as coisas devagarinho começam a voltar a rotina tudo volta a ser como antes :) agora em vez de uma cúmplice tenho dois... uma casa cheia de amor e de felicidade sinto-me feliz e realizada :) força beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só agora vi a sua partilha Paula 😍. Bem vinda! Que testemunho maravilhoso. Obrigada ❤

      Eliminar
  5. Eu tb sou filha única e sempre disse que não ia ter só um filho pq detestei ser filha única (tem algumas vantagens mas no geral é chato!). Quis o destino que eu tivesse gémeos, que era o que desejava em miúda ter tido uma irmã ou irmão gémeo. .. por isso não sei o que é ter só um, o meu coração, o meu amor, o meu carinho, a minha atenção sempre esteve totalmente dividida a meio. Tento que um nunca sinta que por algum motivo está a ser preterido em relação ao outro. Apesar de agora ja não ser fácil pq com 5 anos cada um já tem gostos e opiniões muito distintas (são um menino e uma menina) e as vezes torna-se complicado equilibrar a atenção com um e outro em determinados momentos. Somos os 3 inseparáveis pq como o pai trabalha por turnos todas as rotinas deles dependem sempre de mim mas eles adoram quando o pai está presente em actividades que nem sempre está. Acho que ver a relação deles (apesar de tb implicarem imenso um com o outro ) é maravilhoso, brincam muito juntos e é lindo ve-los abraçados. Acho que a melhor prenda que se pode dar a um filho é um irmão com quem partilhar a vida. Beijinhos e boas decisões

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que lindo testemunho. Adorei ❤. Obrigada pela partilha ❤

      Eliminar
  6. Eu já sou avó e fui mãe aos 21 e 26. Aos 21, porque queria ser mãe cedo. Adorei! Nessa altura não nos preocupávamos tanto em ter tudo e depois ter uma família. Comecei a trabalhar cedo e continuei a estudar até me formar. Aos 26, porque queria ter mais do que um filho, mas fiquei por aqui apesar de estar incompleta... queria três! No entanto, e com a distância e mais alguma sabedoria que vem com a idade, acho que os deveria ter tido seguidinhos, com uma separação máxima de dois anos. Assim, teriam brincado juntos e teriam sido mais unidos na infância. São adultos, estão a fazer o processo da união fraternal. Não quero dizer que se davam mal, nada disso, eram irmãos, mas não se formaram juntos. Força, não hesite!

    ResponderEliminar
  7. Ai ai. Este texto podia ter sido escrito por mim.
    Serei eu capaz de amar outro ser como amo a minha Marta?
    Serei eu capaz de dar atenção aos dois?
    Como será a vida no dia-a-dia?
    Qual a melhor altura?
    Sei que um dia me arrependerei se não tiver um segundo filho e que nunca me arrependerei de o ter, mas os receios são muitos.
    E uma gravidez complicada, mas já com uma em casa para cuidar?
    A Marta tem agora 25 meses. Começamos a falar no assunto.

    Beijo,
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia Ana.
      Obrigada pela partilha ❤. Revi me nas palavras 😊. Por aqui a Mariana já faz quatro em Março. Tenho de "perder o medo". Beijinhos

      Eliminar
  8. mama o seu receio passa na hora que vir o seu bebê na eco e mostrar a pequena,eu tenho 27 sou mae de 3,dois rapazes com 8 e 5 anos e de uma menina de 3 meses,quando fiz as ecos e mostrei foi uma tamanha alegria nos olhos do primeiro e depois no segundo,sendo maos velhos tornam se os protectores dos pequenos.nao me arrependo de ir atras do segundo nem da terceira pois o amor por eles e enorme e igual para todos durante os primeiros meses os mais velhos ajudam a cuidar do bebe o que para eles e uma alegria poderem ajudar.tenhos os meus 3 e sao todos mt apegados a mim,alguma coisa so chamam pela mae.mas no fim compensa ver a alegria e amor de irmaos.bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bonitas palavras ❤. Obrigada pelo testemunho inspirador 😊

      Eliminar
  9. Eu tenho 31, e sou mamã de um casal, um menino de 6 anos e uma menina de quase 14 meses. Confesso que só me senti preparada quando o meu filho fez 4 anos. Até acho que foi no dia de aniversários dele que sentimos (porque o meu marido também sentiu) que estava na altura de termos mais um. Muito sinceramente, como fui filha seguida (tenho diferença de um ano do meu irmão) não queria ter filhos seguidos. Confesso que acho que menos de 3 anos, é pouca diferença, porque aproveitamos muito menos as fases que eles estão a passar, pelo cansaço inevitável. No entanto, casa casal, tem o seu ritmo.

    ResponderEliminar

"Eu, mãe, também preciso de uma pausa..."

#@ E não, não tenho vergonha ou problema em o admitir. Ser mãe transforma a nossa vida completamente.  Aprendemos o que é amar incondicional...